Dicionário Feminista #48 – Orgasmo

Em Casa A Gente Conversa #70 – Autismo: Experiências e Reflexões 14 de out. 16:43
14 de outubro de 2020
Da Magia À Sedução
Quarta Parede #137 – Da Magia À Sedução
15 de outubro de 2020

Dicionário Feminista #48 – Orgasmo

Ilustração de uma toranja sendo banhada pelo seu próprio suco. No canto esquerdo lê-se "orgasmo"

Nesse programa nós vamos falar de um termo que é muito prazeroso, mas que também pode ser motivo de extrema frustração caso não seja alcançado. Hoje vamos falar sobre ORGASMO.

Essa palavra tem origem do termo grego “orgaein”, que significa inchaço, plenitude. 

Foi em 1967 que o zoólogo britânico Desmond Morris aponta que o orgasmo feminino é atingido através do estimulo do clitoris, área que não seria necessariamente tocada pelo penis durante a penetração.

Essa característica da anatomia feminina já aponta pra uma das diferenças entre o orgasmo nas mulheres e nos homens. Enquanto para os homens a região que os leva ao clímax estaria inevitavelmente sendo friccionada durante o ato sexual, para as mulheres o mesmo não acontece. Além disso, a ejaculação masculina também é fundamental para que haja a fecundação do óvulo. Em contrapartida, se a mulher não chegar ao orgasmo durante o sexo, ela ainda assim ela pode engravidar.

Por conta disso, durante muito tempo alguns biólogos rotularam o orgasmo feminino como supérfluo, ou seja, inútil no que diz respeito a perpetuação da espécie humana. Apoiados na ideia darwiniana de “subproduto evolutivo”, esses estudiosos acreditavam que o clitores, que seria apenas o equivalente anatomico do penis, não teria nenhum significado adaptativo. Algo parecido com os mamilos que, nas mulheres, são importantes durante o período da lactação, enquanto para os homens não tem nenhuma função biológica.

Hoje em dia, sabemos que o orgasmo feminino tem um grande papel na absorção do esperma por proporcionar contrações nas regiões da vagina e do útero. Porém, ainda estamos muito atrás nos estudos desse fenômeno. Enquanto a ejaculação masculina e estudada desde meados de 1930, a primeira vez que o cérebro de uma mulher foi mapeado durante o orgasmo foi em 2011. Deve ser por isso que, em estudo publicado em 2018 pela revista Archives of Sexual Behaviour, vemos que mulheres heterossexuais chegam ao orgasmo apenas em 65% das vezes em que tem relações sexuais, enquanto homens heterossexuais chegam ao orgasmo em 95% das vezes.

Aperta o play para ouvir uma conversa honesta sobre orgasmo feminino.


* Notas de rodapé desse episódio:


Fontes usadas nesse episódio