Em Casa A Gente Conversa #51 – Privilégio Branco e o Racismo Estrutural

Dicionário Feminista #30 – Enciclopédia #05 – Maternidade
4 de junho de 2020
Estúdio 31 #04 – Edição de Podcast
10 de junho de 2020

Em Casa A Gente Conversa #51 – Privilégio Branco e o Racismo Estrutural

Em Casa A Gente Conversa #51 - Privilégio Branco e o Racismo Estrutural

Um fundo amarelo, no centro um circulo com imagem de duas mulheres negras. No canto superior esquerdo um quadrado verde com "51". No canto superior direito o logo do podcast e abaixo o logo do #OPodcastÉDelas. No centro, o título "Privilégio branco e o racismo estrutural", e o texto: "Convidadas: Bielo Pereira e Deh Bastos".

Você sabe o que é privilégio branco?

Privilégio é quando uma pessoa ou um grupo de pessoas recebe vantagens em relação ao restante da sociedade.

No Brasil, o racismo é muito presente: as pessoas brancas recebem salários maiores, têm mais acesso à educação, à saúde e à vários outros tipos de vantagens sociais. Aqui incluo também as chances maiores que os brancos têm de se manterem vivos.

Então o que é o privilégio branco? São os recursos normalmente não disponibilizados à população negra: seja ele material, psíquico ou social.

Acontece que para o mundo do privilégio branco, todas as regras e leis são moldadas às situações que eles passam. Já para os negros, o privilégio do branco pode significar a sua morte.

Para se ter uma ideia, entre 2006 e 2016, último ano com dados disponíveis, a taxa de homicídios de quem não é negro diminuiu 6,8%. Enquanto isso, a taxa entre a população negra aumentou 23,1% e foi a maior registrada desde 2006.

Se formos falar de mulher então… 58% das ligações para relatar uma violência doméstica são feitas por negras. Além disso, elas são as mais afetadas pela mortalidade materna, representando 56%, e pela violência obstétrica, com 65% dos casos.

No mês de maio, próximo de completarmos 3 meses de pandemia aqui no Brasil, vemos que negros e negras somam 43% dos hospitalizados, mas representam mais da metade dos mortos: 50,1%, contra 47,7% de pessoas brancas.

O privilégio branco é uma invenção do branco e, para que continue existindo, ele necessita desta desigualdade, que vem desde o período da escravização.

E sabe o que é pior? O privilégio branco é silencioso, naturalizado. Ou seja, como estamos acostumados com ele, a tendência é não percebermos que o privilégio existe e que outras pessoas são tratadas de maneira diferente de nós, que não têm as mesmas vantagens que a gente.

Como não vivemos o que os menos privilegiados vivem, corremos o risco de acreditar que estamos vivendo a mesma realidade e com as mesmas oportunidades, o que é mentira.

Então te convido neste episódio a abrir a sua cabeça. Para receber as críticas abertamente mesmo, tentando enxergar o que há anos estamos ocultando. Convido você, ouvinte branco, a sair um pouco do seu lugar de conforto, do NOSSO lugar de conforto.

Por isso, convidei aqui o Bielo Pereira, podcaster e apresentadora do Coisa Boa pra Você, do GNT, e a Deh Bastos, idealizadora do Criando Crianças Pretas.