Dicionário Feminista #68 – Enciclopédia #14 – Mulheres indígenas

Quarta Parede #158 – 365 Dias
6 de abril de 2021
Tetas na Mesa #61 – E as mais fudidas na pandemia são…
14 de abril de 2021

Dicionário Feminista #68 – Enciclopédia #14 – Mulheres indígenas

Ilustração de uma mulher indígena

Ilustração de uma mulher indígena

Segundo o dicionário, mulher é o ser humano do sexo feminino, e indígena é o que é originário ou próprio de um país, região ou localidade em que se encontra.

Há 520 anos atrás se deu o início da invasão portuguesa em território brasileiro. Em sua descrição dos povos originários, Pedro Vaz de Caminha não economizou palavras ao descrever os corpos indígenas com a suas, abre aspas, “vergonhas”, fecha aspas, sempre expostas, a beleza exuberante das mulheres e a ingenuidade que o escrivão português acreditava ver nesse povo.

Naquele momento se iniciava uma guerra que dura até hoje, um dos maiores genocídios na história da humanidade, marcado pela invasão de terras em prol da exploração de recursos naturais.

De acordo com o antropólogo Darcy Ribeiro, a população estimada entre 5 e 6 milhões de indígenas em território brasileiro foi reduzida a 250 mil indígenas em 1825. O alto índice de mortalidade se deu por conta de guerras, escravização e doenças altamente transmissíveis como a varíola, a gripe, a malária e a sífilis decorrentes da violência colonial.

As mulheres indígenas, além de sofrerem todos os impactos de tal repressão, também tinham seus corpos violados pelos colonizadores portugueses. A prostituição e o tráfico sexual marcaram esses povos de tal forma que, em relatório divulgado pela ONU em 2010, existe a estatística de que uma em cada três mulheres indígenas, são estupradas ao longo da vida.

Hoje o IBGE aponta que a população indígena em território brasileiro somam 897 mil pessoas, 305 etnias e 274 línguas diferentes.

Desde 2008 a lei 11.645 faz com que o ensino da história e cultura afro-brasileira e indígena nas escolas seja obrigatório. Apesar disso, ainda há uma grande resistência e despreparo das instituições de ensino ao cumprimento da lei. Algo extremamente problemático em um país onde o presidente, em seu discurso na ONU, faz questão de culpabilizar a população indígena pelas queimadas no Pantanal.

Para nos ajudar nessa conversa convidamos a mulher e liderança Indígena da etnia Pataxó, Graduanda Tec. em Agroecologia pela UFRB, Thyara Pataxó.

Aperte o play para ouvir o nosso papo sobre Mulheres Indígenas.

Redes sociais da Thyara:


* Notas de rodapé desse episódio:

* Fontes usadas na produção desse episódio: