Dicionário Feminista #60 – Estereótipo

Quarta Parede #150 – V de Vingança
4 de fevereiro de 2021
Disk Unicórnio #2 – Sobre ciúmes
11 de fevereiro de 2021

Dicionário Feminista #60 – Estereótipo

Ilustração de uma mulher mostrando o músculo do braço. Essa é uma imagem muito tradicional dentro do feminismo. No lado esquerdo está escrito o título do episódio "Estereótipo"

Ilustração de uma mulher mostrando o músculo do braço. Essa é uma imagem muito tradicional dentro do feminismo. No lado esquerdo está escrito o título do episódio "Estereótipo"

Segundo o dicionário, estereótipo é a imagem, ou ideia que categoriza alguém ou algo com base apenas em falsas generalizações, expectativas e hábitos de julgamento. Essa palavra é a junção dos termos gregos “stereos” que significa “sólido” e “typos” que significa “molde”.

A princípio, o estereótipo seria o molde para algum objeto que seria criado em larga escala e, por isso, precisaria atender a certos padrões. Foi no final do século XVIII que essa palavra começou a ser usada para rotular grupos de pessoas de acordo com características pré concebidas.

A grande difusão de tais ideias taxativas foi possível através do advento dos grandes meios de comunicação. O cinema e a TV reproduziam e reiteravam os estereótipos presentes na sociedade, hora de forma mais sutil e implícita, hora em um formato mais direto e agressivo. Um exemplo clássico para este último são os programas humorísticos que muitas vezes traziam personagens que carregavam em sua personalidade características que eram banalizadas justamente por serem associadas a algum tipo de estereótipo.

Durante muito tempo a indústria da moda foi responsável pelo estereótipo de beleza. Normalmente ele recai sobre as mulheres de uma forma bem mais intensa do que sobre os homens. O resultado disso são pessoas que estão em constante insatisfação com o próprio corpo, por não se adequarem a esses padrão que na maioria das vezes é inalcançável.

Outros tipos de estereótipos muito enraizados na nossa sociedade são o social e econômico. Alguns rótulos são associados às diferentes classes sociais, em alguns casos caracterizando pessoas pobres como as que sempre estão em constante busca de um jeitinho para se darem bem e pessoas ricas como extremamente autocentradas.

O estereótipo de gênero é outro que não só está intrínseco nas nossas relações sociais, como pode estar presente nas nossas vidas desde antes de nascermos. Por exemplo, quando dizemos que menino veste azul e menina veste rosa, não só estamos definindo um estereótipo como também estamos praticando o sexismo.

Também vemos uma intensa influência de estereótipos étnico culturais, que não são menos preocupantes dos que os demais que foram citados até aqui. Quando associamos o Coronavirus a um vírus chines, estamos associando uma doença a uma certa etnia, deixando implícito que os chineses são os responsáveis por vivermos uma pandemia. Quando, na verdade, sabemos que os verdadeiros culpados são aqueles que resolvem tomar banho de mar em uma praia lotada logo após o ano novo.

Aperta o play para ouvir uma conversa sobre estereótipos feministas.

* Notas de rodapé desse episódio:

  • Vidrados (Netflix)
  • Instagram @brasileirasnaosecalam
  • Projeto Redomas
  • Good Girls (Netflix)
  • Turma do Peito (Netflix)
  • Sandy & Junior: A História (Globo Play)
  • O Mito da Beleza – Naomi Wolf

* Fontes usadas nesse episódio: