Dicionário Feminista #54 – Boy lixo

Tetas na Mesa #54 – Ano leve como Regina
23 de dezembro de 2020
Cala a boca, Bárbara #05 – Serviço Público ou Serviço Privado?
5 de janeiro de 2021

Dicionário Feminista #54 – Boy lixo

Ilustração de um homem se olhando no espelho. No lado esquerdo está escrito "boy lixo"

Ilustração de um homem se olhando no espelho. No lado esquerdo está escrito "boy lixo"

Segundo o dicionário, “boy” é o termo em inglês que significa menino, rapaz ou garoto. Já a palavra “lixo” diz respeito aos resíduos provenientes de atividades domésticas, industriais e comerciais que não prestam e são jogados fora.

Esse termo surgiu por volta de 2011 e se popularizou principalmente nas redes sociais. Tanto que até hoje é usado em títulos de notícias, nome de música e em capa de livro. Assim como a maioria das coisas que se populariza na internet, o significado desse termo pode variar bastante dependendo da situação.

No começo, se dizia que o “boy lixo” era aquele que não saía e nem entrava definitivamente na vida do companheiro ou da companheira. Isso era normalmente feito através de atitudes típicas de um relacionamento tóxico como chantagem emocional, sentimento de posse e falta de empatia.

A partir de então, pessoas nas redes sociais começaram a expor não só os boys lixo que já haviam passado em suas vidas como também personagens de filmes e séries que haviam sido representados como mocinhos perfeitos. Muitas discussões aconteceram no tribunal da internet, de um lado alguns provaram por A mais B que aqueles personagens eram boy lixo, do outro lado alguns passavam pano, digo, defendiam com unhas e dentes as escolhas que eles haviam tomado.

Independente do resultado dos debates, o uso do termo acompanhou uma onda de reflexões a respeito do comportamento dos homens ao se relacionarem com outras pessoas. Por isso, vimos também o surgimento da #Metoo, discussões a respeito da masculinidade tóxica e reflexões sobre como os relacionamentos eram retratados pelas grandes mídias.

A informação a respeito da responsabilidade afetiva também foi algo vastamente divulgado, já que uma das principais características que definia um boy lixo seria a falta de cuidado e respeito com o sentimento do outro.

Acredita-se que a falta de diálogo promovido pelo jogo da sedução abra espaço para uma indiferença com relação ao outro. Isso não só é reafirmado pelo conteúdo audiovisual que chega pra gente, como também culpabiliza nós mulheres por sermos muito sentimentais ou não sabermos escolher direito nossos companheiros: as famosas “dedo podre”.

Aperta o play e vem ouvir nosso papo sobre boy lixo!

* Notas de rodapé desse episódio:

* Fontes usadas nesse episódio: