Dicionário Feminista #52 – Autoaceitação

Quarta Parede #145 – Um Passado de Presente
10 de dezembro de 2020
MAIS Tetas na Mesa #05 – Parentalidade Consciente
16 de dezembro de 2020

Dicionário Feminista #52 – Autoaceitação

Ilustração de uma mulher se olhando no espelho, com vários corações ao redor dela, indicando autoaceitação

Ilustração de uma mulher se olhando no espelho, com vários corações ao redor dela, indicando autoaceitação

Antes de começarmos esse episódio, já vamos pedir pra que vocês corram lá no nosso Insta @dicionariofeministapod e acompanhem todas as discussões sobre os termos que a gente traz aqui no podcast. A gente também não vai ficar triste se você mencionar o @dicifeminista lá no twitter ou se quiser espantar os haters nos comentários do nosso canal no Youtube.

Segundo o dicionário, a autoaceitação é a ação ou resultado de aceitar a própria forma de ser, a própria personalidade, os próprios defeitos e qualidades.

Já faz tempo que a psicologia estuda a forma como que as nossas interações com o mundo influenciam a nossa personalidade, principalmente na infância e na adolescência. E durante a infância que nós aprendemos as regras sociais que possibilitam a nossa comunicação com o outro, assim como o entendimento de que o outro pode ter um dada percepção de nós de acordo com as nossas atitudes. Daí que entendemos que certas atitudes são aceitáveis ou não de acordo com a reação que os nossos pais tem diante daquilo.

Na adolescência passamos por outro processo de autoconhecimento, normalmente mais relacionado com as interações que vão além do círculo familiar. Nessa fase é comum tentarmos nos encaixar e certos grupos sociais, a aprovação do outro tem o efeito de comprovação da nossa existência como pessoas interessantes, que realmente valem a pena serem integrados a um dado ambiente.

Além de todas essas particularidades do nosso desenvolvimento psicológico, temos que considerar a grande influência que os avanços tecnológicos têm sobre a nossa compreensão de quem somos. Os anos 90 foram marcados pela intensificação das interações sociais promovida pela era da internet. Antes, tentávamos ser aceitos em um grupo de 40, 50 pessoas. Hoje, somos vistos e avaliados por mais de 10000 pessoas, muitas delas com realidades extremamente diferentes das nossas e que nunca irão nos conhecer para além da tela do computador.

Na tentativa de atender as demandas de milhares de pessoas, nos esquecemos o quão importante a autoaceitação e na afirmação da nossa própria existência. Reconhecer os valores de todas as nossas características, sendo elas boas ou ruins, é fundamental para sabermos os nossos limites e nos beneficiarmos das nossas potencialidades.

Vem participar de uma conversa sobre autoaceitação!

* Notas de rodapé desse episódio:

* Fontes usadas nesse episódio: